Eu chuva
e tu garoa
gl  (via o-teimoso)

estigmato:

Marcus Vinicius da Cruz de Melo Moraes nasceu em 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro. Ele adotou o nome Vinícius de Moraes ainda quando criança. No livro “Elegia Quase Uma Ode” (1937), declarou: “Quem me dera… ser apenas Moraes sem ser Vinicius!”

Quando era menino, fazia…

Eu não duvido do poder da música. Em um dia preto e branco ela me colore. Em um momento de tristeza ela traz de volta um meio sorriso. Em uma situação delicada ela me socorre.
Clarissa Corrêa.  (via inverbos)
Tínhamos tudo para dar errado… E demos.
Robin and Stubb. (via sutilizar-se)g
Drama ou não, ninguém sofre por opção.
Renato Russo.    (via mists)
Quando o destino fecha uma porta, temos o costume de ajudar o azar e dar mais uma volta na chave. Terminamos nos trancando ainda mais. Aproveitamos para nos isolar ainda mais. Entramos no modo conspiratório: o mundo está contra nós. A paranoia é o mel para atrair coisas ruins. Mas poderia ser diferente. Quando o destino fecha uma porta, poderíamos abrir o vestido da esposa. Quando o destino fecha uma porta, poderíamos abrir uma garrafa de vinho. Quando o destino fecha uma porta, poderíamos abrir um livro. Quando o destino fecha uma porta, poderíamos abrir uma lata de leite condensado. Quando o destino fecha uma porta, poderíamos abrir uma amizade. Quando o destino fecha uma porta, poderíamos abrir nossas gavetas e arrumar a bagunça. Quando o destino fecha uma porta, poderíamos abrir a cabeça e parar de culpar o destino.
Fabrício Carpinejar (via palavrisses)
Mas, afinal, será que é covardia reconhecer o medo?
A Menina que Roubava Livros. (via recontador)
Não preciso me drogar para ser um gênio;
Não preciso ser um gênio para ser humano;
Mas preciso do seu sorriso para ser feliz.
Charles Chaplin. (via recontador)
Afinal, de quantas maneiras um coração pode ser destroçado e ainda continuar batendo?
Bella Swan   (via cuidei)